PELA PARTICIPAÇÃO MAIS ATIVA E EFETIVA DO SISTEMA CFA/CRA.

Foto em Destaque: 

Os conselhos de profissões de nível superior e que tem alguma representatividade participam como membros efetivos de órgãos da administração pública, para fiscalizar in loco e se manifestar no que diz respeito as profissões que representam.

 

Assim, é que a OAB, por exemplo, tem seus representantes nos órgãos ligados a justiça e todo assunto que diga respeito ao direito e assuntos legais é submetida a apreciação da OAB para que se manifeste sobre o assunto.

 

O Conselho Federal de Administração - CFA, que deveria ter uma participação efetivaem assuntos referentes a recursos humanos e a logística, os quais deveriam sera ele submetidos para que se manifestasse sobre as medidas técnicas relativas ao assunto.

 

O Conselho Federal de Administração deveria ter uma participação mais efetiva quando das formulações dos planos estratégicos de administração do serviço público, e politicas públicas, principalmente no que concerne as atividades meios.

 

Por esses termos, somos considerados uma profissão de segunda, sendo constantemente agredidos e usurpados nos nossos direitos profissionais, sem que haja uma manifestação mais contundente denunciando tais expedientes, e arbitrariedades.

 

É preciso uma reação em termos de atitude, mostrando que estamos atentos para esses fatos. Por isso, é que o CFA deve ter ingerência direta na participação das mudanças das estruturas administrativas dos órgãos públicos, dando pareceres e opiniões sobre esses assuntos.

 

Ou temos um Conselho forte e atuante, com poder técnico de influenciar nas decisões sobre administração publica no que lhe compete ou fecha por falta de competência. Não dá para continuar apenas como órgão arrecadador de anuidades dos seus filiados, sem a devida contraprestação e o reconhecimento da sociedade.